Sábado, 22 de Janeiro de 2022
83 9 9869-1587
Geral Paraíba

TRF-1 suspende decisão que permitia universidade paraibana importar 15 mil doses de vacinas contra Covid-19

Nesta última terça-feira (6), o juiz Rolando Spanholo, da 21ª Vara Federal do Distrito Federal, tinha autorizado a universidade a importar vacinas. Os imunizantes seriam aplicados em professores, servidores e alunos.

08/04/2021 07h41 Atualizada há 10 meses
Por: Redação Fonte: Notícia Paraíba
TRF-1 suspende decisão que permitia universidade paraibana importar 15 mil doses de vacinas contra Covid-19

A decisão da Justiça Federal que autorizava a universidade Unifacisa a importar 15 mil doses de vacinas contra a Covid-19 foi derrubada pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1). A decisão foi do presidente do TRF-1, o desembargador I’talo Fioravanti Sabo Mendes.

Nesta última terça-feira (6), o juiz Rolando Spanholo, da 21ª Vara Federal do Distrito Federal, tinha autorizado a universidade a importar vacinas. Os imunizantes seriam aplicados em professores, servidores e alunos.

Além da Unifacisa, outras nova Instituições privadas também tinham recebido autorização para importarem as doses dos imunizantes contra o novo coronavírus.

Na decisão de Spanholo, as Instituições, inclusive, não precisavam doar vacinas para o Programa Nacional de Imunização (PNI).

O desembargador I’talo Fioravanti Sabo Mendes, em seu entendimento, afirmou que as liminares que garantiam que empresas pudessem comprar vacinas sem primeiro repassá-las ao Ministério da Saúde poderiam causar grave lesão à ordem pública, além de serem contra determinações fixadas em lei pelo Congresso e sancionadas pelo Executivo.

A deisão de Sabo Mendes se alinhou com da Adovacia-Geral da União (AGU), que tinha solicitado o impedimento da compra de imunizantes pela iniciativa privada.

“Subverter o critério de priorização indicado no PNO (Plano Nacional de Operacionalização contra a covid-19), permitindo que um determinado segmento da sociedade se imunize antes das pessoas que integram os grupos mais vulneráveis, representa um privilégio que desconsidera os principais valores que orientam o Sistema Único de Saúde, notadamente a equidade e a universalidade”, disse a AGU.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias