Quarta, 08 de Dezembro de 2021
83 9 9869-1587
Polícia Perícia

Carro de luxo envolvido em morte de baterista não poderia trafegar em via pública, conclui perito

BMW usada pelo suspeito de matar Dainha Batera tinha modificações que classificam o veículo como carro de competição.

26/01/2021 18h04
Por: Redação
Carro de luxo envolvido em morte de baterista não poderia trafegar em via pública, conclui perito

A BMW utilizada por Antônio Carlos Gomes de Oliveira, suspeito de homicídio doloso por dirigir em alta velocidade, fugir da polícia e bater no carro em que estava o baterista Jailson Bezerra, não poderia circular em vias públicas. Segundo o perito Robson Félix, do setor de engenharia forense do Instituto de Polícia Científica (IPC), o carro de luxo do suspeito tinha modificações suficientes para caracterizá-lo como carro de competição.

O crime aconteceu no domingo (24), em um cruzamento no bairro de Manaíra, em João Pessoa. Antônio Carlos desrespeitou a ordem de parada dos policiais, por dirigir perigosamente, e seguiu em alta velocidade. Após passar por vários cruzamentos desrespeitando a preferência, atingiu o carro da vítima, que bateu em outro veículo. O suspeito foi preso em flagrante e o baterista morreu ainda no local.

A perícia no veículo começou na segunda-feira (25) e foi concluída nesta terça-feira (26) pela manhã. “Encontramos uma série de modificações nos sistemas do veículo cujo objetivo era o aumento de potência e torque”, diz o perito.

Segundo Robson, o carro tinha uma injeção reprogramável, com seis bicos extra; um galão de metanol com sistema de bomba injetora instalada no porta malas; e alterações na turbina, que não era original.

“O metanol não é um combustível regulamentado e é totalmente proibido. Essa bomba injetava metanol no sistema do carro com a finalidade de aumentar a potência. De fábrica, este carro tem 220 cavalos de potência, mas com este nível de alteração que foi feito, seguramente a potência dele estaria entre 500 e 600 cavalos”, explica o perito.

Robson explica ainda que não foi possível calcular a velocidade do carro no momento do acidente, uma vez que o carro da vítima colidiu com outro carro e isso impede o cálculo. “Estamos estudando fazer a retirada do módulo do air bag do carro pois lá têm informações sobre a velocidade do impacto”, completa.

O corpo de Dainha Batera, como era conhecido Jailson, foi enterrado na segunda-feira (25). A Justiça converteu a prisão em flagrante de Antônio Carlos em prisão preventiva. Ele está detido na carceragem da Central de Polícia Civil, por causa da pandemia. O suspeito já responde a crimes de estelionato no Acre e em Tocantins.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias