Sábado, 27 de Novembro de 2021
83 9 9869-1587
Brasil Venceu a Covid

Paciente de 58 anos recebe alta após quase 10 meses internado por Covid-19

Após contrair a Covid-19 e superar diversas complicações, a esperada alta só veio depois de quase 10 meses de hospitalização.

10/07/2021 13h10 Atualizada há 5 meses
Por: Redação Fonte: Folha
Paciente de 58 anos recebe alta após quase 10 meses internado por Covid-19

O choro do funcionário público Marcos Elias Jacobsen, 58, ao deixar o hospital de Joinville (SC) onde estava internado resume o alívio que ele sentiu diante de uma longa trajetória de renascimento. Após contrair a Covid-19 e superar diversas complicações, a esperada alta só veio depois de nove meses e 16 dias de hospitalização, nesta quinta-feira (8).

"É o tempo de uma gestação, é um nascer de novo", disse. Assim como um bebê, ele conta que está tendo que aprender várias atividades novamente, como andar e comer sozinho, mas as limitações não o desanimam diante da cura, que considera um milagre.

"Já estou aliviado sabendo que sobrevivi, ainda preciso de ajuda para me alimentar, caminhar, mas com a fisioterapia acredito que vou me recuperar logo", afirmou.

Do tempo total de internação, Jacobsen passou 58 dias na UTI. Além do comprometimento pulmonar, ele desenvolveu insuficiência renal, úlcera e trombose e por um tempo ficou totalmente dependente dos aparelhos que estavam conectados em seu corpo. A família chegou a ser informada de que, se ele sobrevivesse, teria graves sequelas.

"Cada vez que o telefone tocava era uma tortura, sempre pensando em notícia ruim. Cheguei a deixar o celular no silencioso para só sentir quando estava tocando porque ouvir era muito traumático", contou a esposa de Marcos, Silvia Jacobsen, 54.

Mas a recuperação veio aos poucos, a ponto de os rins voltarem a funcionar. Ele ainda precisa retornar diariamente ao hospital para trocar curativos e, na segunda-feira (12), inicia as sessões de fisioterapia para recuperar os movimentos, principalmente dos pés e mãos, os mais comprometidos pelo tempo em que não pôde se movimentar.

"A gente se apegou a nossa fé e esperança para que ele conseguisse lutar e sobreviver. Ele é forte, determinado, alegre e de bem com a vida, mas, quando se encontra assim, a gente fica muito fragilizado", relembrou Silvia dos O bom humor foi um dos ingredientes essenciais para a cura, segundo o paciente. Marcos não se deixou abater mesmo tendo sido internado após a morte do irmão, também por Covid-19, em julho do ano passado. A esposa dele também contraiu a doença, mas não teve sintomas.

"Pra gente evitar o estresse, sempre gostei de uma piada, uma brincadeira, e eu fazia para descontrair o pessoal do hospital. Da parte deles, foi tudo muito amoroso, um tratamento muito humano, foi um tempo de muito aprendizado que vou levar para o resto da vida".

Uma das companheiras de diversão foi a sobrinha Luana Carolina Batista, 33. Modelo e digital influencer, ela deixou os compromissos de lado para ajudar o tio, a quem considera como pai, durante os sete meses em que ele ficou no quarto, podendo receber visitas. A convivência rendeu diversos vídeos descontraídos nas redes sociais.

"Eu sempre estive presente, desde o primeiro dia, mesmo quando ele estava na UTI, para dar esperança e força. Depois, acabei me desligando um pouco dos meus trabalhos, muitos me criticaram, mas eu tinha meu tio para cuidar. Silvia e Luana também registraram o dia a dia da recuperação no Instagram de Marcos. A ideia inicial era de mostrar as lembranças para o próprio paciente, já que ele mesmo não se lembra do período mais crítico da internação. Mas os vídeos acabaram servindo também como inspiração para outros familiares de pacientes de Covid-19.

"Sempre tem alguém que relata que algum familiar está como ele estava, que está se inspirando na gente para se recuperar. Foi um feedback bem legal que nem pensamos, e é o mais importante na verdade: fazer o bem. De tanto bem que nós recebemos é inaceitável que a gente não possa repassar essa graça", disse a esposa.

Para Marcos, o renascimento a partir da Covid-19 também vai significar uma nova fase de vida. "Agora vou ter que aproveitar a vida, porque às vezes ficamos muito bitolados com o trabalho. Vou me aposentar e sossegar um pouco. Ficar mais com a família e curtir os amigos".

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias