Domingo, 26 de Junho de 2022
83 9 9869-1587
Geral Nota técnica

Ministério da Saúde contraria cientistas e diz que hidroxicloroquina é segura, mas vacinas não

Todas as vacinas em aplicação no Brasil obtiveram resultados em pesquisas científicas que comprovaram a segurança e eficácia contra a Covid-19.

23/01/2022 08h34
Por: Redação Fonte: G1
Ministério da Saúde contraria cientistas e diz que hidroxicloroquina é segura, mas vacinas não

Nota técnica publicada nesta sexta-feira (21) pelo Ministério da Saúde contraria a Organização Mundial da Saúde (OMS) e a comunidade científica e afirma que vacinas não têm demonstração de segurança. Na verdade, as vacinas contra a Covid são internacionalmente reconhecidas como método mais seguro de prevenção contra a doença.

O mesmo documento aponta que a hidroxicloroquina demonstrou segurança como uma tecnologia de saúde para a Covid-19 — o medicamento chegou a ser discutido pelos maiores órgãos de saúde do mundo e, desde março de 2021, a OMS não recomenda oficialmente seu uso para o tratamento ou prevenção do coronavírus.

Após publicação da reportagem, o Ministério da Saúde disse em nota que "em nenhum momento afirmou que o referido fármaco é seguro para tratamento da Covid-19, nem questionou a segurança das vacinas, que é atestada pela agência reguladora".

"A interpretação foi retirada erroneamente de uma manifestação de nota técnica da Secretaria de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos (SCTIE). A secretaria informou que observada isoladamente não traduz o real contexto, explicitado no próprio texto. A interpretação de que ela afirma existência de evidências para o medicamento cloroquina e não existência de evidências para vacinas é errada e descontextualizada". Veja abaixo quadro presente no documento:

O secretário de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos em Saúde, Helio Angotti Neto, assina o relatório, utilizado como base para rejeitar as diretrizes da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias ao Sistema Único de Saúde (Conitec) de não usar medicamentos do "kit Covid" para tratamento em pacientes do SUS.

Desde de o início dos experimentos das vacinas da Covid-19, as farmacêuticas e cientistas fizeram estudos de todos os tipos - incluindo pesquisas de padrão ouro - para confirmar a segurança e eficácia contra a Covid-19. Todas as vacinas em aplicação no Brasil obtiveram resultados que comprovaram a segurança para a aplicação e uma boa resposta de anticorpos contra o coronavírus.

No caso da hidroxicloroquina, a discussão começou em 2020 e, apesar da defesa inicial de alguns cientistas, tanto a OMS, quanto pesquisadores da área, passaram a não recomendar o uso do medicamento por falta de evidências científicas e, mais do que isso, a chance de causar algum efeito adverso grave em pacientes com a Covid-19.

"Temos já muitos estudos bem conduzidos, de qualidade, mostrando que a hidroxicloroquina não tem eficácia contra a Covid-19. Além dos estudos em populações que mostram a efetividade das vacinas e sua segurança. E para somar a isto, temos os números que mostram a redução do número de óbitos com o avanço da cobertura vacinal. Então, é uma mentira contada pelo próprio ministério, que ignora a ciência", afirma Letícia Sarturi, mestre em imunologia pela Universidade de São Paulo e doutora em biociências e fisiopatologia pela Universidade Estadual de Maringá.

As diretrizes da Conitec, aprovadas em maio e dezembro do ano passado, eram de não usar remédios como a cloroquina, a azitromicina, a ivermectina e outros medicamentos sem eficácia para tratar a doença – tanto em ambulatórios (casos leves) como em hospitais, quando o paciente está internado.

Ambas foram rejeitadas pelo ministério. Angotti Neto pontua, entre os motivos, "incerteza e incipiência do cenário científico diante de uma doença em grande parte desconhecida".

Angotti Neto afirmou que a elaboração das diretrizes "passou por processos de grande tumulto", o que "pode ter pressionado membros da Conitec".

Neto também apontou que a decisão foi tomada por 7 votos a favor e seis contra, apontando que seria algo atípico na história do conselho. Entretanto, os votos contrários foram dados por cinco secretarias do governo e o Conselho Federal de Medicina. Segundo reportagem da Rádio CBN, Angotti Neto pediu a a demissão de Vânia Canuto, uma das auxiliares que votou a favor do relatório da Conitec que contraindica o uso do kit Covid.

"Sem dúvida nenhuma é um processo que passou por processos de grande tumulto, vazamentos de informações. Isso pode ter pressionado membros da Conitec e essa pressão pode influenciar no processo decisório interno", disse Angotti Neto.

"Não é isso que definiu a decisão, mas é um elemento de contexto, por exemplo, que é considerado nessas situações. Agora, outro elemento, alguns elementos na seleção de diretrizes prévias, a metodologia que foi utilizada...tudo isso foi questionado por membros da Conitec, que talvez um dos elementos inéditos e que chama muito a atenção é a falta de consenso. Até onde eu recordo, é a primeira vez na Conitec que temos uma votação de maioria simples de 7 a 6", complementou.

Carlos Carvalho, pneumologista, coordenou os estudos que respaldaram a decisão da Conitec contra a prescrição do kit Covid. Ele disse ao Jornal Nacional que as comparações entre vacina e hidroxicloroquina não fazem sentido e que a publicação dos questionamentos da nota técnica é "inadmissível".

"Eu não vejo motivo para fazer isso com esse grupo de pesquisadores, que dedicaram horas do dia a dia em um momento tão crítico da saúde do país, que dedicaram horas de uma forma voluntária para gerar uma diretriz para atendimento da população, para que essa informação capilarizasse pros médicos que estão lá nos rincões, no interior do nosso país, pudessem ter a melhor informação possível", disse Carvalho.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
João Pessoa - PB
Atualizado às 16h49 - Fonte: Climatempo
28°
Nuvens esparsas

Mín. 21° Máx. 30°

31° Sensação
20 km/h Vento
70% Umidade do ar
90% (5mm) Chance de chuva
Amanhã (27/06)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 21° Máx. 31°

Sol e Chuva
Terça (28/06)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 22° Máx. 29°

Sol com muitas nuvens e chuva
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Ele1 - Criar site de notícias